(27) 3255-9999
Home » Geral » Como utilizar a uréia na alimentação de gado de corte e leiteiro

Como utilizar a uréia na alimentação de gado de corte e leiteiro

18/08/2016

O volume de chuvas no Espírito Santo é crítico. É o que alerta a Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh), que lançou no começo deste mês duas resoluções que prorrogam o Cenário de Alerta do Espírito Santo por mais três meses. A agência ainda sugeriu o racionamento por parte da sociedade e reutilização e redução da quantidade utilizada pelas empresas.

Em um cenário complicado como este, são necessárias medidas para que o gado não sofra ainda mais com a falta de água e com os pastos secos. É por isso que muitos produtores fazem o uso da uréia na alimentação de bovinos de corte e de leite, formulando dietas de substituição de fontes protéicas vegetais. Essa substituição fornece quantidades ideais de proteínas que melhoram a digestão das fibras. A uréia, também denominada Nitrogênio Não Protéico (NNP), tem sido amplamente utilizada em dietas de bovinos, pois possui um custo inferior e não influencia na saúde e na produtividade dos animais.

No entanto, é necessário ter atenção na hora da preparação do alimento, pois altas quantidades de uréia podem intoxicar o animal. De acordo com o Zootecnista André Cabral, o ideal é ministrar 25 gramas, não ultrapassando 50 gramas de uréia para cada 100 kg de peso do animal. “Os sintomas de intoxicação incluem tremores musculares, respiração ofegante, salivação excessiva, inquietação, asfixia e até morte. É importante o produtor estar sempre atento às quantidades corretas de uréia e acompanhando de perto o gado para notar qualquer alteração no comportamento dos animais”, analisa.

A uréia deve ser incluída gradativamente para evitar a toxidez, começando com 25% do total a ser fornecido e, a cada cinco dias, aumentar 25% até atingir os 100% da inclusão da uréia. O produto pode ser incluído na silagem, na mistura com cana-de-açúcar e com palhadas de arroz, cevada ou feijão. Além disso, recomenda-se usar fonte de nitrogênio protéico, como melaço, farelos de trigo e algodão ou fubá de milho, quando a uréia é utilizada.


Leia também: »

Comentários (0)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *